Publicidade
Sexta-Feira, 15 de Dezembro de 2017
Descrição do tempo
  • 32º C
  • 23º C

Operação da polícia e do MP combate fraudes em licitações de Laguna

Ao todo, são cumpridas 76 ordens judiciais no município nesta terça-feira

Redação ND
Florianópolis
21/11/2017 às 10H43

A Polícia Civil e o Ministério Público realizam uma operação nesta terça-feira (21) para combater um esquema de fraudes em processos de licitação de Laguna. A ação conta com a participação de 90 policiais.

Ao todo, são cumpridas 76 ordens judiciais na região, sendo sete prisões preventivas, seis prisões temporárias, 25 mandados de condução coercitiva e 38 mandados de busca e apreensão. As medidas cautelares foram expedidas pela Vara Criminal de Laguna e são frutos de investigação de três inquéritos policiais. Os nomes dos envolvidos não foram divulgados.

A operação investiga fraudes em licitações de obras em Laguna - Polícia Civil/Divulgação/ND
A operação investiga fraudes em licitações de obras em Laguna - Polícia Civil/Divulgação/ND



No primeiro inquérito, a polícia constatou que um grupo de empresários frustraram o caráter competitivo de duas licitações, mediante ajuste prévio dos preços ofertados. O grupo atuava especialmente na realização de obras e fornecimento de materiais.

Um dos integrantes é vereador da cidade, que foi licenciado do cargo para exercer a função de secretário municipal. Segundo a polícia, ele teve sua campanha financiada pela organização criminosa e, como secretário, praticou atos ilícitos em benefício do grupo.

No segundo inquérito, apurou-se que esse mesmo vereador, no período em que atuou como secretário municipal, fraudou um certame de sua pasta. Segundo as apurações, o investigado ordenou para que seus subordinados aprovassem os candidatos por ele indicados e ainda vazou informações sigilosas para garantir as aprovações.

A polícia diz que os candidatos já possuíam prévio vínculo com a secretaria ou com o então titular da pasta, e que foram beneficiados sem atender aos requisitos mínimos para o exercício do cargo.

Já o terceiro Inquérito teve início com uma denúncia anônima de moradores que suspeitavam de fraudes no município. Com base nas investigações, foi possível comprovar os constantes desvios de materiais, que deveriam ser utilizados na reforma de um colégio local, para uma obra particular de um influente agente político da cidade.

Com o desenrolar das investigações, diversos outros delitos também foram descobertos, todos eles com envolvimento de políticos locais que agiam mediante recebimento de propina para beneficiar amigos ou funcionários.

Ao todo, 90 policiais participam da operação nesta terça - Polícia Civil/Divulgação/ND
Ao todo, 90 policiais participam da operação nesta terça - Polícia Civil/Divulgação/ND



A Operação Seival, como foi denominada, é coordenada pela DCCPP /DEIC (Divisão de Crimes Contra o Patrimônio Público da Diretoria Estadual de Investigações Criminais) e pela 18ª Delegacia Regional da Comarca de Laguna em conjunto com o Ministério Público, por meio da 2ª Promotoria de Justiça. Também conta com o apoio de delegacias de Tubarão, Ararangua e Criciúma.

A polícia dará mais detalhes sobre a operação em uma coletiva na manhã desta quarta-feira (22), às 10h, na sede da DEIC (Diretoria Estadual de Investigações Criminais), em Florianópolis.

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade