Publicidade
Segunda-Feira, 21 de Janeiro de 2019
Descrição do tempo
  • 30º C
  • 23º C

Polícia Civil cumpre mandados relacionados à morte de Marielle e motorista

Buscas acontecem em vários pontos da capital fluminense e nas cidades de Nova Iguaçu, Angra dos Reis, Petrópolis e Juiz de Fora, esta última em Minas Gerais

Estadão Conteúdo
Rio de Janeiro (RJ)
13/12/2018 às 16H22

Policiais da Divisão de Homicídios do Rio estão nas ruas desde o início da manhã desta quinta-feira, 13, tentando cumprir 15 mandados de prisão e de busca e apreensão relacionados à morte da vereadora Marielle Franco (PSOL) e de seu motorista, Anderson Gomes. Ambos foram mortos a tiros em março deste ano.

As buscas acontecem em vários pontos da capital fluminense e nas cidades de Nova Iguaçu, Angra dos Reis, Petrópolis e Juiz de Fora, esta última em Minas Gerais. Os mandados são referentes a um inquérito à parte; mas segundo o delegado Giniton Lages, que coordena as investigações do caso Marielle, eles têm ligação com os assassinatos.

>> Polícia investiga suposta atuação de deputados em assassinato de Marielle Franco

Vereadora Marielle Franco (PSOL-RJ) foi executada com quatro tiros na cabeça - Agência Brasil/Divulgação/ND
Vereadora Marielle Franco (PSOL-RJ) foi executada com quatro tiros na cabeça - Agência Brasil/Divulgação/ND

Alvos das buscas seriam milicianos

No meio da tarde, a polícia divulgou nota informando que os mandados são referentes a inquéritos policiais instaurados na DH "e que transcorrem de forma paralela às investigações do caso Marielle e Anderson". De acordo com a nota, "a medida é uma ferramenta voltada à inviolabilidade e ao sigilo das informações coletadas no bojo do inquérito policial principal".

Os alvos das buscas seriam milicianos - a atuação deles é uma das principais linhas de investigação do crime, ocorrido em março. A ação da polícia acontece em vários pontos do Rio e nas cidades de Nova Iguaçu, Angra dos Reis, Petrópolis e Juiz de Fora (MG).

A Polícia Civil não informou número de agentes envolvidos e tampouco fez um balanço da ação. Segundo a DH, o sigilo das investigações "é a maior garantia para chegar aos autores e mandantes dos crimes investigados".

>> Anistia Internacional quer comissão independente para caso Marielle

>> Após ameaças, Comissão pede proteção para viúva de Marielle Franco

>> Polícia faz reconstituição do assassinato de Marielle Franco no Rio

Publicidade

1 Comentário

Publicidade
Publicidade