Publicidade
Sexta-Feira, 21 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 25º C
  • 17º C

Morre moradora de rua querida pelos frequentadores do Centro de Florianópolis

Andreia completaria 36 anos em julho deste ano e era conhecida pelo jeito dócil e carinho com os animais de rua que adotava e cuidava

Marina Simões
Florianópolis
14/03/2018 às 20H29

Amigos e conhecidos se reuniram no cemitério São Francisco de Assis, no bairro Itacorubi, na tarde cinza desta quarta-feira (14) para dizer adeus à Andreia de Oliveira Barbosa, moradora de rua que vivia na rua Victor Meirelles, na região do Centro Antigo, em Florianópolis, e completaria 36 anos em julho deste ano. Ela era conhecida pelo jeito dócil e pelo carinho com os animais que adotava, cuidava e levava em um carrinho de supermercado por onde andava. Andreia era HIV positivo e nos últimos anos, devido a saúde frágil, contraiu hepatite C e tuberculose pulmonar, que acabou causando sua morte.

Morre moradora de rua querida pelos frequentadores do Centro - Gioconda Dalsossa/Divulgação/ND
Morre moradora de rua querida pelos frequentadores do Centro - Gioconda Dalsossa/Divulgação/ND

“Foram várias internações nos últimos dois anos. Ela passou por todos os hospitais da cidade praticamente. Todo mundo já a conhecia. Por último, ela foi para o hospital Nereu Ramos, de onde não voltou mais”, conta Gioconda Dalsasso, que trabalha perto de onde Andreia costumava ficar e já a conhecia há mais de 10 anos. Elas acabaram se tornando amigas, assim como muitas outras pessoas que também passam pela região a caminho do trabalho ou frequentam os bares que funcionam lá durante a noite.

Não se sabe ao certo o motivo para Andreia sair de casa, o que os amigos que compareceram em seu velório estimam ter acontecido há cerca de 20 anos. Ela era natural de Florianópolis, já teve uma filha, usava drogas, já foi agredida e assediada e no ano passado demonstrou interesse em retomar o contato com a família, mas não conseguiu realizar esse desejo. “Ela tinha um coração bondoso, era muito educada e estava sempre com um sorriso no rosto apesar dos sofrimentos da vida”, disse Sandra Willerding, publicitária amiga de Andreia.

Algumas amigas de Andreia acreditam que, apesar do serviço de apoio prestado pela Abordagem Social do município ajudar, não resolve o problema das pessoas em situação de rua, que muitas vezes têm algum tipo de doença psicológica também e não recebem o tratamento adequado.

Segundo a assessoria de comunicação da secretaria de Assistência Social de Florianópolis, se a pessoa declarar que está doente ou é portadora de alguma doença e quer ajuda durante a abordagem social, receberá um encaminhamento para realizar o tratamento necessário. O serviço funciona junto com o consultório de rua e "o grande objetivo e ajudar essas pessoas".

Morre moradora de rua de Florianópolis  - Gioconda Dalsossa/Divulgação/ND
Morre moradora de rua de Florianópolis - Gioconda Dalsossa/Divulgação/ND



Publicidade

5 Comentários

Publicidade
Publicidade