Publicidade
Quinta-Feira, 15 de Novembro de 2018
Descrição do tempo
  • 27º C
  • 20º C

Família morta em chacina em hotel de Florianópolis é sepultada neste domingo

Ainda no sábado, a Polícia Civil localizou o segundo veículo roubado pelos autores do crime, que ocorreu na última quinta-feira

Cristiano Rigo Dalcin
Florianópolis
08/07/2018 às 17H03

Os corpos dos quatro integrantes da família Gaspar Lemos foram sepultados no início da tarde deste domingo (8), no Cemitério Parque Jardim da Paz, no bairro Saco Grande, em Florianópolis. Paulo Gaspar Lemos, 78 anos, os filhos Leandro Gaspar Lemos, 44, Paulo Gaspar Lemos Júnior, 51, e Kátia Gaspar Lemos, 50, foram mortos na quinta-feira (5) no interior do apart hotel pertencente à família em Canasvieiras, no Norte da Ilha.

Enterro de vítimas da chacina foi realizado no Cemitério Jardim da Paz, em Florianópolis - Cristiano Rigo Dalcin/ND
Enterro de vítimas da chacina foi realizado no Cemitério Jardim da Paz, em Florianópolis - Cristiano Rigo Dalcin/ND


O sepultamento foi acompanhado por um casal de sobrinhos e alguns amigos, que informaram à reportagem serem advogados da família, mas que não quiseram se manifestar sobre o caso. O corpo da quinta vítima da chacina, o funcionário do apart hotel Ricardo Lora, 39 anos, foi encaminhado para Caxias do Sul (RS), onde foi sepultado ainda no sábado (7).

A Polícia Civil, através da Delegacia de Homicídios, prosseguiu com as investigações neste final de semana. Ainda no sábado, por volta das 11h, foi localizado o segundo veículo roubado pelos criminosos. O carro, um Ford Focus, estava estacionado na rua Hermínio José Monteiro, na Cachoeira do Bom Jesus, Norte da Ilha, e será periciado pelos técnicos do Instituto Geral de Perícias (IGP).

Ainda no sábado, os policiais começaram a analisar imagens de câmeras de monitoramento localizadas na região, já que todos os demais equipamentos espalhados pelo apart hotel foram retirados pelos criminosos com objetivo de dificultar as investigações. Familiares e amigos das vítimas também foram ouvidos pelos policiais, que não informaram detalhes para não prejudicar as investigações.

Neste domingo, os policiais retornaram ao local do crime, em Canasvieiras, para apreender documentos das vítimas, da empresa e de bens da família, que estão sendo analisados pelos investigadores em busca de pistas que possam ajudar a esclarecer os motivos do crime e identificar os autores da chacina que chocou a Capital na última semana.

Publicidade

4 Comentários

Publicidade
Publicidade