Publicidade
Terça-Feira, 11 de Dezembro de 2018
Descrição do tempo
  • 30º C
  • 20º C

De tensão a indignação: o 1º depoimento de Lula sobre sítio; veja os vídeos

Ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi interrogado pela substituta do juiz Sérgio Moro, a juíza federal Gabriela Hardt, durante quase três horas

Estadão Conteúdo
São Paulo (SP)
15/11/2018 às 12H49

Por Ricardo Brandt, Julia Affonso, Paulo Roberto Netto e Fausto Macedo

O primeiro interrogatório do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado e preso na Operação Lava Jato, com a substituta do juiz Sérgio Moro, a juíza federal Gabriela Hardt, foi marcado por um clima de tensão. Na audiência, que durou ontem quase três horas, a magistrada chegou a advertir o petista logo no início do depoimento. Foi a primeira vez que o ex-presidente deixou a Superintendência da Polícia Federal desde que foi preso, em 7 de abril, após ser condenado em segunda instância no processo que envolve o triplex do Guarujá.

Lula foi interrogado pela substituta do juiz Sérgio Moro, a juíza federal Gabriela Hardt - Reprodução
Lula foi interrogado pela substituta do juiz Sérgio Moro, a juíza federal Gabriela Hardt - Reprodução


Nesta ação, o ex-presidente - que disse ontem que não sabia do que era acusado e alegou ser vítima de uma "farsa" - é réu no caso do sítio de Atibaia por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Segundo a acusação, o petista recebeu propina das empreiteiras OAS e Odebrecht por meio de reformas no sítio, que está em nome do empresário Fernando Bittar, também réu na ação - ao todo são 13 acusados. As obras teriam custado cerca de R$ 1 milhão.

"O senhor sabe do que está sendo acusado?", questionou a juíza, seguindo o rito dos interrogatórios a que são submetidos todos os réus. "Não", respondeu o petista, para, em seguida, dizer que estava disposto a responder a toda e qualquer pergunta. "Eu sou dono do sítio ou não?", questionou.

"Isso é o senhor que tem que responder e não eu", rebateu Gabriela. "E eu não estou sendo interrogada nesse momento." Após ser interrompida por Lula, que insistia em fazer perguntas, a juíza afirmou: "Senhor ex-presidente, se começar nesse tom comigo, a gente vai ter problema."

Tanto os delatores da Odebrecht como o ex-presidente da OAS José Aldemário Pinheiro, o Léo Pinheiro, afirmaram em juízo que executaram serviços em benefício do petista. Pinheiro chegou a dizer que o sítio era de Lula, o que ex-presidente nega.

Na segunda-feira passada, Bittar havia dito a Gabriela que a ex-primeira-dama Marisa Letícia, morta em fevereiro de 2017, "ia tocar a obra" no sítio e o pecuarista José Carlos Bumlai, amigo de Lula, faria a reforma. Segundo Bittar, Marisa "tinha autonomia" para coordenar as obras.

As reformas do sítio teriam sido feitas em três etapas. A primeira, sob comando de Bumlai no valor de R$ 150 mil, a segunda da Odebrecht, de R$ 700 mil - ambas em 2010 - e uma terceira obra na cozinha, pela OAS, de R$ 170 mil - em 2014 -, em um total de R$ 1,02 milhão.

"Agora ficou fácil citar o nome da dona Marisa, porque ela morreu", afirmou Lula. "Tenho muita dúvida se dona Marisa pediu para fazer a reforma. Tenho muita dúvida. Como ela não está aqui para se explicar, eu fico com a minha dúvida."

Lula disse ainda que "tem a tranquilidade de dizer que não sabe quanto custou a reforma". Segundo ele, só "quem pode dizer isso é quem é o dono do sítio."

O petista também se exaltou quando foi questionado sobre propinas pagas no âmbito de contratos da Petrobrás e a criação de um suposto caixa do PT, que teria sido administrado pelo ex-tesoureiro da sigla João Vaccari. 

"O senhor não acredita, mas foi lhe dito nos outros depoimentos sobre quantidades de valores devolvidos por diretores e gerentes da Petrobrás relativos a propinas e os valores em contas bloqueadas de políticos no exterior", afirmou Gabriela. Lula respondeu: "Aí é caixa deles, na verdade eles ganhavam um prêmio Nunca foi tão fácil ser ladrão nesse País. Você rouba, aí depois faz a delação e fica com um terço do roubo ou dois terços do roubo".

A juíza reagiu quando Lula sugeriu amizade entre Sérgio Moro e o doleiro Alberto Youssef, delator das Operações Lava Jato e Banestado. "Ele não vai fazer acusações a meu colega aqui", disse.

Acusações rebatidas

Em nota divulgada ontem, o advogado do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Cristiano Zanin Martins, disse que durante seu depoimento o petista "demonstrou perplexidade" e reforçou "indignação por estar preso sem ter cometido crime".

"Lula apresentou em seu depoimento a perplexidade de estar sendo acusado pelo recebimento de reformas em um sítio situado em Atibaia que, em verdade, não têm qualquer vínculo com a Petrobrás e que pertence de fato e de direito à família Bittar, conforme farta documentação constante no processo", escreveu o advogado. 

Na sequência, o advogado afirma que Lula - "preso sem ter cometido qualquer crime" - estaria "sofrendo uma perseguição judicial por motivação política materializada em diversas acusações ofensivas e despropositadas para alguém que governou atendendo exclusivamente aos interesses do País". As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Assista ao depoimento:

Publicidade

2 Comentários

Publicidade
Publicidade