Publicidade
Segunda-Feira, 22 de Outubro de 2018
Descrição do tempo
  • 24º C
  • 17º C

Após noite tensa, Chico Mendes amanhece tranquila e moradores dão versão sobre ocorrido

Manifestação na noite desta segunda-feira (16) causou pânico em pessoas que passavam pelo local

Redação ND
Florianópolis
17/07/2018 às 20H36

Após a tensão vivida na noite desta segunda-feira (16) na BR-282, próximo à comunidade Chico Mendes, em Florianópolis, o dia amanheceu com passagem de carros e pedestres normalizada no local. Por volta das 18h50, um grupo de pessoas montou uma barricada e ateou fogo em objetos como pneus, colchões e madeiras, impedindo o fluxo de pessoas e veículos na área. O intuito foi protestar contra a morte de um jovem no último domingo (15), após confronto com a Polícia Militar.

Clima de tensão tomou conta do local na noite desta segunda (16) - Flávio Tin/ND
Clima de tensão tomou conta do local na noite desta segunda (16) - Flávio Tin/ND


Nesta manhã, o clima continuava de revolta na comunidade. Moradores convocaram a imprensa na manhã desta terça-feira (17) para comunicar sua versão dos fatos. Maicon Willian, irmão do adolescente morto, negou que ele fosse membro de uma facção criminosa.

"Agora ele estava com carteira de trabalho, ia ingressar como menor aprendiz em uma empresa. Ele tem dois filhos pequenos para sustentar, um de quase um ano e outro de três, estava procurando emprego, porém todos falavam que ele era de facção e isso é mentira", afirmou. A Polícia Militar afirmou que o jovem foi morto em confronto, enquanto a família diz que ele estava indo à padaria, quando entrou no fogo cruzado.  "Eles [os policiais] pegaram o meu irmão e trouxeram ele para esse canto e mataram o meu irmão de forma brutal", informou Maicon. "E arrastaram o corpo dele até lá em baixo porque ficaram com medo da rapaziada do movimento atirar neles", completou.

Os moradores afirmam que em momento algum o adolescente reagiu à abordagem policial. "Meu filho nunca nem pegou em uma arma", afirma a mãe, Rosineide Jesus. O tenente-coronel Sandro Cardoso da Costa, comandante do 22º BPM (Batalhão da Polícia Militar), disse à RICTV que a corporação não irá se manifestar sobre o caso nesta manhã.

*Com informações da repórter Karina Koppe, da RICTV.

Publicidade

7 Comentários

Publicidade
Publicidade