Publicidade
Segunda-Feira, 21 de Janeiro de 2019
Descrição do tempo
  • 30º C
  • 23º C

Quem é quem no Campeonato Catarinense que começa na quarta-feira

Para uns, um “laboratório” para o Brasileiro, enquanto para outros o Estadual é o cenário ideal de afirmação ou recuperação no cenário do futebol local

Diogo de Souza
Florianópolis
11/01/2019 às 21H38

Vai começar o Campeonato Catarinense. Na próxima quarta-feira (16), a bola rola na principal competição do Estado. Dez equipes disputarão a taça que será entregue após dois turnos de todos contra todos. Os quatro primeiros classificam-se para fase semifinal onde, em partida única, decidem os dois finalistas que lutam pelo caneco no dia 21 de abril. Os dois últimos colocados caem para segunda divisão estadual.

  -
-

Ao passo que um novo ano vira, o futebol recomeça, pouco a pouco nos respectivos estados, a movimentar a paixão pelo esporte bretão. Esse pontapé, inclusive, corrobora o sentimento de novidade que brota nas festas finais, sobretudo, no Réveillon.

Na edição 2019, apesar da expectativa natural que o cerca, o Catarinense não prevê atletas de renome nacional e internacional. Nem por isso, no entanto, tornará a competição menos importante ou pouco competitica. Apesar desse teor homogêneo, de equipes priorizando o trabalho ao invés dos medalhões, a expectativa é a melhor possível. Desde o Figueirense, atual detentor do título e maior campeão da competição, até os casos do Metropolitano e Marcílio Dias, que ascenderam da segunda divisão em 2018.

Chapecoense e Avaí, representantes de Santa Catarina na elite do futebol nacional, saem com um leve favoritismo devido a essa condição. Criciúma e Joinville são grandes incógnitas. Depois de um 2018 ruim, tiveram um mercado de transferências agitado e o “encaixe” vai depender do trabalho dos experientes Doriva e Zé Teodoro, respectivamente. Brusque, do ex-jogador e agora técnico Paulo Baier; Hercílio Luz e Tubarão, no Sul do Estado, terão a missão de criar dificuldades ao bloco dos “cinco grandes” e, em paralelo, a luta contra o rebaixamento.

A expectativa fica por conta do uso do VAR. A ferramenta, conforme repassado pela assessoria da Federação Catarinense de Futebol, se for o caso, será utilizada apenas nas fases decisivas da competição. Embora a final do Estadual 2018 - vencida pelo Figueirense - tenha sido a primeira partida da história de Santa Catarina com o uso da tecnologia, não há garantia que a esta edição também a tenha. Ainda de acordo com a assessoria, há uma barreira financeira, já que estima-se um custo de R$ 35 a 40 mil por jogo monitorado pelo árbitro de vídeo.  O ND fará a cobertura de todos os jogos da competição no jornal e no site ndonline.com.br.

Confira o que cada clube pode apresentar

  -

 

  -

 

  -

 

  -
-






Publicidade

0 Comentários

Publicidade

Escolha seu time

  • Chapecoense
  • Criciúma
  • Figueirense
  • JEC
  • Avaí
Publicidade