Publicidade
Segunda-Feira, 21 de Agosto de 2017
Descrição do tempo
  • 19º C
  • 14º C

O dia-a-dia de Joinville e região contado por Luiz Veríssimo.

Delegacia da Mulher esclarece acusação de estupro em Joinville

Imagens das câmeras de segurança encerrou a investigação deste caso inédito na Polícia Civil

Luiz Veríssimo
12/08/2017 17h38

Um caso inédito e com final surpreendente marcou as últimas semanas na Delegacia da Mulher, Criança, Adolescente e Idoso de Joinville. Não há registro de uma acusação de estupro envolvendo um taxista na história da polícia da cidade, muito menos envolvendo uma passageira. A investigação policial foi concluída graças às imagens das câmeras de monitoramento instaladas nas principais ruas da cidade.

No início do mês, uma jovem de 18 anos procurou a delegacia para denunciar um taxista por estupro. Não mencionou “tentativa” ou “atentado violento ao pudor”. Diante da gravidade da denúncia, a delegada Geórgia Marrianny Gonçalves Bastos intimou o suspeito, um experiente profissional sem nenhuma passagem pela polícia. Ele percebeu  acusação com surpresa e incredulidade e a delegada percebeu que havia alguma coisa de errada na história.

Um novo depoimento da acusada revelou algumas contradições e, comparado com as informações do taxista, despertou mais dúvidas entre os investigadores. Só uma prova material poderia elucidar o caso: as imagens das câmeras de segurança. Elas iriam comprovar - ou não - a defesa do motorista, que foi baseada no pouco que levou para transportar a acusada, insuficiente para ocorrer “conjunção carnal”.

Depois de alguns dias de espera pelas gravações no percurso que o taxista informou, o caso foi resolvido. Comparando as imagens, a “corrida” levou pouco mais de 10 minutos. Não haveria tempo para o estupro ser materializado. Um dia antes de comemorar seu aniversário, o taxista e pai de família, com 53 anos, foi chamado na delegacia, onde recebeu chorando a notícia de que o caso fora arquivado. A acusada continua circulando por Joinville e não justificou sua falsa denúncia. Os nomes não foram divulgados porque o caso tramitou “em segredo de justiça” 23

 

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade