Publicidade
Sábado, 16 de Fevereiro de 2019
Descrição do tempo
  • 27º C
  • 22º C

Assuntos da Grande Florianópolis e os temas cotidianos das cidades da Região Metropolitana – incluindo resgates diferenciados da memória histórica –, são acompanhados de perto pelo colunista Carlos Damião, que tem mais de 30 anos de vivência profissional.

  • Quando a Ilha de Santa Catarina avançou para o continente próximo

      Ponte Hercílio Luz vista do Estreito, em registro da década de 1950: fator de integração - Acervo Carlos Damião
      Ponte Hercílio Luz vista do Estreito, em registro da década de 1950: fator de integração - Acervo Carlos Damião

    Prédio da antiga Hospedaria dos Imigrantes (Portal Turístico): patrimônio do século 19 preservado - Carlos Damião
    Prédio da antiga Hospedaria dos Imigrantes (Portal Turístico): patrimônio do século 19 preservado - Carlos Damião


    O subdistrito do Estreito foi incorporado a Florianópolis há exatos 75 anos, completados em 1 de janeiro deste ano. Originalmente Arraial de Santa Cruz do Estreito, depois Passagem do Estreito, Estreito e João Pessoa – este último nome adotado em 1930, em homenagem ao líder paraibano assassinado naquele ano –, quando a parte continental ainda pertencia a São José.

    Sobre a incorporação à Capital, o falecido historiador Iaponan Soares registrou em seu livro “Estreito – Vida e Memória”:

    “Em 1943, o governo do Estado constituiu uma comissão para promover a revisão territorial de Santa Catarina, considerando alguns fatores como:

    - Inferioridade de Florianópolis com relação a outras capitais brasileiras[...]

    Leia mais
  • Que a CPI da Ponte sirva para esclarecer a verdade e não para alimentar histerias

    Trabalhadores da ponte, durante visita técnica em julho de 2018 - Carlos Damião
    Trabalhadores da ponte, durante visita técnica em julho de 2018 - Carlos Damião

    Em geral, as CPIs têm um componente demagógico muito forte, embora sejam instrumentos legais e necessários ao aperfeiçoamento da administração pública e à eventual apuração de responsabilidades em caso de gastos públicos exacerbados. O problema da demagogia está nessa histeria “lavajateira” que tomou conta das redes sociais nos últimos anos. Histeria que busca o punitivismo puro e simples, a partir de suspeitas sobre fulano ou beltrano, sobre situação A ou B, com condenações sumárias que escapam ao rigor (presunção da inocência, ampla defesa) que deve nortear o Direito e a Justiça. 

    Assistindo aos telejornais, desde segunda-feira (11/2), deparo-me com “informações” conflitantes e absurdas. Num dia, o repórter menciona que foram gastos R$ 740 milhões nas obras de recuperação da Ponte Hercílio Luz. Dois dias depois (13/2), outro repórter aponta gastos de[...]

    Leia mais
  • Ato na Capital lembra os 11 meses do assassinato de Marielle Franco

    Cartaz de convocação: Marielle é símbolo da luta por justiça, direitos, democracia e respeito - Divulgação'
    Cartaz de convocação: Marielle é símbolo da luta por justiça, direitos, democracia e respeito - Divulgação'


    #8Marielle: Vivas, livres e resistentes! Esse é o evento programado para esta quinta-feira, 14/2, promovido pelo coletivo 8M SC, a partir das 16h, com concentração no Ticen e caminhada até a Escadaria do Rosário. O ato vai assinalar os 11 meses do assassinato da vereadora Marielle Franco, do Rio de Janeiro. E será preparatório para o Dia Internacional da Mulher, 8 de março. O objetivo é denunciar as violências cometidas contra as mulheres e exigir justiça. "Denunciamos os assassinatos de lutadoras do povo e os feminicídios cotidianos que matam centenas de nós", dizem as organizadoras no texto de convocação. "Denunciamos o capitalismo e o patriarcado, a retirada de direitos e as violências deste governo conservador, racista, misógino e machista que ocupa hoje o poder no Brasil. Defendemos a democracia, a soberania popular, os territórios e as[...]

    Leia mais
  • Ponto de encontro e palco afetivo de Florianópolis

      

    Ponto “nervoso” da cidade, no fim da década de 1960, um pouco antes do calçadão - Divulgação
    Ponto “nervoso” da cidade, no fim da década de 1960, um pouco antes do calçadão - Divulgação


    Fechado no fim de janeiro, por compreensíveis razões empresariais, o Ponto Chic/Senadinho volta para a lista de perdas afetivas da cidade – e elas não são poucas, visto quantas referências materiais ou imateriais de nossa identidade desapareceram nas últimas três ou quatro décadas.

    O Ponto Chic foi um dos locais de encontro mais importantes de Florianópolis durante cerca de 70 anos. Por ali passaram personagens e personalidades da política, autoridades, intelectuais, empresários e a gente simples. Antes e depois da implantação do calçadão, sempre foi um ponto de bate-papo, paquera e observação do movimento central, frequentado em geral pelo público masculino. Nas origens, e daí o nome “Chic”, recebia apenas fregueses engravatados.

    O episódio histórico mais relevante ocorreu em 30 de novembro de 1979, quando o então presidente general João[...]

    Leia mais